No contexto da ortodoxia, a tradição do ícone apresenta uma forma de conhecer o Divino e o atemporal através da imagem. O filme Iconostasis trata exatamente da arte sagrada do ícone como intermediária entre o mundo divino e o mundo humano, partindo do pensamento do filósofo russo Pável Florenski, e chegando ao cinema de Andrei Tarkóvski – que dialoga profundamente com esta tradição. Estes dois personagens têm em comum terem sido intensamente religiosos vivendo em plena URSS – Florenski morreu num Gulag, Tarkóvski exilado na Europa.

O documentário de longa-metragem penetra na tradição do ícone desde Bizâncio, passando pela continuação desta tradição na Rússia, nos mosteiros da Trindade e Serguei Possad, e pela obra do pintor russo de ícones Andrei Rublióv, até chegar ao cinema de Andrei Tarkóvski (que retratou a vida do monge pintor de ícones no filme homônimo). A própria realização de um ícone de forma litúrgica tradicional será mostrada no filme.

O filme Iconostasis trata de uma tradição cristã tão antiga quanto o cristianismo: a tradição do ícone, e será realizado em três etapas através de um financiamento coletivo, filmado em 2016 e 2017 na Rússia – na cidades de Moscou e Suzdal. Com entrevistas, voz off de textos de Tarkóvski e Florenski, e imagens dos lugares onde estão as relíquias ortodoxas, assim como cenas dos filmes de Tarkóvski.

O Crowdfunding

Iniciamos a produção do filme Iconostasis através de um crowdfunding para o público brasileiro. Com a primeira etapa de arrecadações, fomos para a Rússia para a pré-produção do filme, que resultou numa série de fotos e no roteiro do longa-metragem. Somente a pré-produção foi viabilizada por crowdfunding. O restante da produção será feita através dos contatos que fizemos na etapa anterior.

Quem adquiriu nossas recompensas na primeira etapa irá recebê-las normalmente. Nossa previsão para as recompensas é para a segunda metade de 2017.

 

Além disso, também tiramos muitas fotos que irão compor um livro sobre o tema. Fizemos algumas fotos com filme cromo que serão usadas nos materiais de divulgação, mas que ainda não foram reveladas. Um registro com essa qualidade da iconografia russa e bizantina é algo totalmente inédito e estamos muito felizes em poder ter feito isso.

"A arte é um sonho que encarnou."

Pável Florenski

O título

Iconostasis é a parede ornamentada com ícones que separa o corpo da igreja ortodoxa do seu santuário. No sentido simbólico, é o elemento limítrofe entre o mundo divino e o humano, e revela, por meio dos seus ícones, os caminhos para a união entre os dois mundos. Iconostasis é também título do livro de Pável Florenski, citado por Tarkóvski duas vezes nos seus Diários poucos meses antes da sua morte, com profunda reverência, e umas das referencias na criação da sua obra-prima, o filme Andrei Rublióv.

EQUIPE:

Josias Teófilo, roteiro e direção

Cineasta pernambucano radicado em Brasília, desde 2011 Josias Teófilo é colaborador da revista Continente, onde escreve especialmente sobre arte e já entrevistou personalidades como Hélène Grimaud, Boris Schnaiderman, Phillipe Jarrousky, João Moreira Salles, Paulo Mendes da Rocha e Marlos Nobre. É autor do romance ensaístico O Cinema Sonhado, ganhador do prêmio Antônio de Brito Alves de melhor ensaio da Academia Pernambucana de Letras.

Matheus Bazzo, produção

Fotógrafo e designer, nasceu no Rio Grande do Sul. Estudou Artes Visuais na UFRGS. Desenvolve trabalhos fotográficos desde 2009 e em sua trajetória passou por fases experimentais, pela publicação de zines e projetos comerciais. Como designer, desenvolve seus trabalhos principalmente na área de webdesign e branding, onde já atendeu dezenas de empresas em todo o Brasil. Atualmente, trabalha também como designer e fotógrafo freelancer. É fundador da Lavra Filmes, produtora de cinema independente, junto com Josias Teófilo.

Ludmila Zalesskaya, tradução

Professora de russo, é criadora do Centro Cultural Rússia Antiga, em Brasília. Nascida em Moscou, estudou línguas eslavas. Já realizou cursos de russo para o Instituto Rio Branco, o Ministério da Defesa, entre outros.

Pavel Tavares, assistência de direção

Pavel Tavares, brasileiro erradicado na Argentina, estudou Design de Imagem e Som na Universidad de Buenos Aires. Premiado com seus curta-metragens Jasy Porã (Argentina), melhor documentário, melhor fotografia, melhor curta-metragem e varias menções em distintos festivais – e Alexander (Russia), melhor video experimental em San Petersburgo e selecionado para a Bienal de Arte em Movimento de Buenos Aires. Atualmente realiza seu primeiro longa-metragem, o documentário chamado Olho de Mar, filmado na Patagónia; escreve um filme sobre a imigração africana na Argentina e uma adaptação do livro Hadji Murat de Tolstói para o cinema.